O ex-presidente Andrés Pastrana pediu neste domingo (15) ao presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, o cancelamento de todos os contratos vigentes com a Odebrecht devido ao escândalo de corrupção envolvendo a construtora brasileira.

"Presidente Juan Manuel Santos: cancele todos os contratos da Odebrecht. É imoral investigá-la em uns para premiá-la com outros", afirmou Pastrana em sua conta oficial no Twitter.

Segundo documentos publicados em dezembro pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou US$ 788 milhões em propinas em 12 países da América Latina e África. Na Colômbia, a empresa teria pago mais de US$ 11 milhões a "funcionários do governo" entre 2009 e 2014.

Na última quinta-feira, as autoridades colombianas prenderam Gabriel García Morales, vice-ministro de Transporte durante o governo do ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010), pelo suposto envolvimento no caso. Um primeiro pagamento de US$ 6,5 milhões foi feito para que Morales garantir que a Odebrecht vencesse a licitação para a construção da Rota do Sol.

Em comunicado, a Procuradoria-Geral da Colômbia explicou que houve um segundo pagamento de US$ 4,6 milhões na licitação da construção da estrada Ocaña-Gamarra, no nordeste do país.

"A filial na Colômbia da empresa Odebrecht contratou no dia 5 de agosto de 2013 o ex-congressista Otto Nicolás Bula Bula, mediante a modalidade de honorários por resultado ou cota de sucesso, com o objetivo de obter o contrato da via Ocaña-Gamarra", afirmou.

Acordo

A Odebrecht ofereceu pagar US$ 32 milhões ao governo da Colômbia como parte da colaboração nas investigações abertas sobre pagamento de suborno para conseguir obras no país, afirmou o Ministério Público local em seu site.

Scroll to top